Modelo matemático: Estamos sozinhos no Universo?

Estamos sozinhos no Universo

Modelo matemático sugere que estamos sozinhos no Universo: Pesquisadores da Universidade de Oxford concluem que vida inteligente fora da Terra é altamente improvável

Apesar do pequeno problema da falta de evidência, atualmente a maioria dos astrofísicos e cosmólogos estão persuadidos de que vida extraterrestre inteligente deve existir.

Nova investigação sugere que estamos sozinhos no Universo

estamos sozinhos no Universo
Nova investigação sugere que estamos sozinhos no Universo

A lógica por trás dessa suposição parece convincente. Há um bilhão de galáxias no universo, cada uma contendo bilhões de estrelas, em volta das quais orbitam bilhões de planetas.

Dada a imensidão destes números, poderia ser estatisticamente perverso sugerir que a vida inteligente evoluiu somente uma vez no sistema inteiro.

Mas fazer o quê, entretanto, se essa improbabilidade assustadora é, todavia, a verdade? Estamos sozinhos no Universo

E se o Homo sapiens é, de fato, a única espécie em toda a história do universo a inventar o rádio, construir observatórios de raios X, e enviar uma espaçonave ao espaço?

E se – não obstante a existência de exoplanetas cobertos de lodo azul esverdeado – estivermos totalmente por nossa conta?

Essa é a alegação dos físicos Anders Sandberg, Eric Drexler e Toby Ord, todos do Instituto Futuro da Humanidade da Universidade de Oxford no Reino Unido.

Em um artigo, “Dissolving the Fermi Paradox”, hospedado no servidor pré-publicação Arxiv, e ainda aguardando revisão por pares, o trio modelou o que acontece quando duas pedras de toque da astrobiologia – o Paradoxo de Fermi e a Equação de Drake – são combinadas e submetidas ao rigor matemático.

Os resultados, deve ser dito, não são bons, pelo menos para aquelas pessoas esperançosas de que em algum lugar lá fora, pelo menos uma civilização alienígena está borbulhando.

Veja Também: Teoria da Gravidade Quântica

Os cálculos existentes para a probabilidade de vida inteligente extraterrestre, eles comentam, se apoiam em incertezas e suposições que levam a resultados contendo margens de erro que se espalham por “múltiplas ordens de grandeza”.

Em agravamento a isso, tanto quanto possível, pela fatoração em modelos de mecanismos químicos e genéticos plausíveis, resulta, concluem eles, na descoberta de que “existe um substancial probabilidade de que estamos sozinhos no Universo”.

O Paradoxo de Fermi: Porque é provável que estamos sozinhos no Universo

O Paradoxo de Fermi é assim chamado por causa do físico Enrico Fermi, que notou em 1950 que há tantas estrelas, apenas na Via Láctea, que dada a idade do universo mesmo uma pequena probabilidade de que a vida inteligente tenha evoluído significaria que sua existência poderia acontecer junto com a humanidade no momento.

Já que, ele continuou, em termos de evidência não temos nada, o que dada a probabilidade de vida inteligente emergente, é estranho. Daí o paradoxo. “Onde estão eles?” perguntou ele.

A Equação de Drake, formulada pelo astrônomo americano Frank Drake em 1961, tenta colocar uma estrutura analítica em torno da alegação de Fermi, através da estimativa do número de civilizações inteligentes que existem no universo, apesar do fato de que não podemos vê-las.

O trabalho de Drake pode ser expresso então: É possível afirmar que estamos sozinhos no Universo?

Na equação, N representa o número de civilizações na Via Láctea capazes de emitir sinais eletromagnéticos detectáveis.

O número é determinado por outros fatores do modelo, que expressam a taxa adequada da formação de estrelas, a fração dessas estrelas com exoplanetas, o número desses planetas adequados para a vida e o número nos quais a vida realmente aparece.

O total é em seguida reduzido pelo acréscimo de outros refinamentos – o número de planetas com vida nos quais a inteligência emerge, o número daqueles que produzem tecnologia capaz de emitir sinais para o espaço, e o número daqueles que realmente vão em frente e o fazem.

É tudo muito impressionante, mas “cientificismo” em vez de ciência. Sandberg, Drexler e Ord alegremente citam a astrônoma americana Jill Tarter, que descreveu a Equação de Drake como “um meio maravilhoso para organizar a nossa ignorância”.

O problema com o modo como a equação é usualmente aplicada, argumentam os pesquisadores, é que os parâmetros aplicados à maioria dos vários elementos representam simplesmente as melhores estimativas – e essas estimativas, além disso, são grandemente influenciadas pelo fato da pessoa que as faz ser otimista ou pessimista sobre as chances da existência de vida inteligente.

O resultado, notam eles, frequentemente envolve números da astronomia bem estimados multiplicados por cifras ad hoc.

Cientista calcula as chances de que estamos sozinhos no Universo

Eles citam outro astrônomo norte-americano, Steven J. Dick: “Talvez nunca na história da ciência uma equação apresentou valores diferindo por oito ordens de magnitude… cada cientista parece trazer seus próprios preconceitos e suposições ao problema”.

Dick, notam eles, estava sendo simpático. Muitos resultados dos cálculos da Equação de Drake apresentam probabilidades numa faixa de centenas de ordens de magnitude.

Em um assunto não completamente adicional, os pesquisadores agradecem um cálculo recente pelo cosmólogo norte-americano Max Tegmark, estimando as chances de civilizações inteligentes surgirem no universo.

Tegmark assume que não há razão para que duas civilizações inteligentes estejam a qualquer distância particular uma da outra, e então argumenta que – dado que a Via Láctea é uma fração minúscula do universo observável, o qual ele mesmo é somente uma pequenina parte do universo além que não podemos ver – é improvável que duas civilizações inteligentes desenvolver-se-iam no mesmo universo observável. Então, para todas as intenções e propósitos, estamos muito provavelmente sozinhos.

Sandberg, Drexler and Ord usam um enfoque diferente para o seu modelo, incorporando incertezas científicas atuais que produzem valores para partes diferentes da equação alcançando dezenas e centenas de ordens de magnitude.

Algumas delas dizem respeito a questões críticas referentes ao surgimento da vida a partir de matéria não-viva – um processo conhecido como abiogênese – e a subsequente probabilidade da primeira vida semelhante ao RNA evoluir para vida mais adaptativa semelhante ao DNA.

Então existe a questão desta vida primitiva semelhante ao DNA caminhar para o tipo de desenvolvimento evolucionário simbiótico que aconteceu na Terra, quando um relacionamento entre dois tipos diferentes de organismos simples resultou nas complexas células “eucarióticas” que constituem todas as espécies no planeta mais complicados que as bactérias.

Será que realmente estamos sozinhos no Universo?

Os resultados são tristes o suficiente para colocar um milhar de escritores de ficção científica em choque. O Paradoxo de Fermi, descobriram eles, se desvanece.

“Quando levamos em conta a incerteza realística, substituindo estimativas pontuais por distribuições de probabilidade que refletem o conhecimento científico atual, não encontramos razão para ser altamente confiantes em que a galáxia (ou universo observável) contenha outra civilização”, concluem eles.

“Quando atualizamos o que precede à luz da observação de Fermi, descobrimos um substancial probabilidade de que estamos sós em nossa galáxia, e talvez mesmo em nosso universo observável.”

“Onde estão eles? – provavelmente extremamente longe, e muito possivelmente além do horizonte cosmológico e para sempre inalcançáveis.”